sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Desabafo: barradas no baile!


Meninas, tudo bem?

Hoje gostaria de abordar um episódio que vivenciei junto com uma amiga no último sábado,17/10, pela primeira vez e, confesso que estou chocada até agora.

Com vontade de sair pra dançar fiz uma pesquisa na Net para conferir a programação das mais badaladas casas noturnas de BH e, eis que conversando com minha amiga decidimos prestigiar uma tal casa noturna, famosa em BH. No site tinha a programação pro sábado e não mencionava a necessidade de convite antecipado.

Pois bem, chegando a casa às 22:30 (super cedoooo, concordam?) fomos barradas pela hostess, dizendo que a festa era reservada apenas pra quem tinha convite!!! Como assim??? Ainda questionei, dizendo que no site não tinha essa informação, mas, nada adianta falar com essas recepcionistas fortemente treinadas para “selecionar” os clientes conforme o perfil da noite na casa!!!

Eu até já conhecia essa fama deste lugar, mas não acreditava que ia acontecer justo comigo! Fiquei ultra decepcionada e me sentindo realmente discriminada sabe-se lá por qual motivo....

Pra quem não sabe essas moças ou rapazes chamados de Hostess recebem o público nas boates e decidem quem entra. Controlam a lista de convidados e a proporção entre homens e mulheres. Resumindo: seu trabalho é barrar alguém disposto a pagar para entrar com simpatia e um sorriso no rosto.... na minha opinião muita hipocrisia e cinismo, isso sim!!! Discriminação, isso sim! Que profissão besta essa...eu preferia morrer de fome a ter que fazer isso com uma pessoa, que se apresenta dignamente na porta de uma casa noturna... que se interessou pela programação, que leu no seu site e que, entre 1 milhão de opções, resolveu prestigiar justo aquela opção que a tratou mal!

Eu e minha amiga somos cultas, bonitas e educadas...não estavámos mal vestidas, nem bêbadas rsssss!!! Então, não vem com essa desculpa de convite!!! É mais digno dizer que não éramos clientes interessantes para a casa naquele momento. Mas sabe, eu não guardo mágoas, porque não me julgo inferior a ninguém... o meu dinheiro compra as mesmas coisas que o dinheiro do público que se enquadrou no perfil da casa naquela noite. E opções muito melhores é o que não falta na noite belo-horizontina... fui pra outro lugar... muito melhor na minha concepção, simplesmente pelo fato de que lá as pessoas são respeitadas e ninguém escolhe pela “cara’ os clientes.

Haloooo!!! Eu não consigo acreditar que em meados do século XXI ainda exista essa concepção discriminatória e inútil.

Amigas, eu sei que existem hostess em boates de Nova Iorque à São Paulo, mas, senti na pele o que é chegar na porta de uma boate e escutar uma desculpa esfarrapada!!! Eu, definitivamente, NÃO concordo com isso! Isso é discriminação de consumidores!

Hoje escutei a frase “A LEI SÓ EXISTE PRA QUEM A CONHECE” do meu amigo Rogério, então pensei:

Me barraram na porta sem justificativa plausível, esta prática é vedada pela Constituição da República de 1988 e pelo Código de Defesa do Consumidor.
É uma prática abusiva e fere a dignidade do consumidor bem como representa recusa ao atendimento das demandas dos consumidores. A oferta é pública. O Código de Defesa do Consumidor e a Constituição evitam que a autonomia privada imponha suas valorações particulares à sociedade.

Nunca mais coloco meus pezinhos neste lugar!!!!!

P.S.: Não sei se todas as Hostess trabalham da mesma forma, não quero generalizar... meu objetivo neste post foi de contar minha fatidica experiência.

Pesquisei o que é hostess AQUI

Leia a reportagem da revista Viver Brasil AQUI

Leia a reportagem da Revista Encontro AQUI

Amigas, já vivenciaram ou sabem de história semelhante a esta? Comentem!!!

11 comentários:

etc & tal disse...

Oi Wan,
sem dúvidas essa situação é muito constrangedora! Se um dia isso acontecer comigo, pode ter certeza que eu nunca mais ponho meus pés nesse lugar!!!

Bom final de semana.
Bjos

Madame disse...

Que absurdo menina!
Hoje vou numa baladinha, so quero ver se vao me sacanear!

bju

Anônimo disse...

Nossa, que horror! Aposto que foi no Clube Chalezinho, já ouvi muitas histórias sobre barrarem pessoas neste lugar.

Li a reportagem das revistas, dá pra ver que se trata mesmo de preconceito, pois moramos em um país teoricamente livre.

Que nojo!

Bjo!

Ariadne

Bruna disse...

Acho o óhhhhhhh essa atitudes.. é discriminação..

Uso e Use disse...

Vi uma reportagem sobre o assunto uma vez e achei um absurdo. Enquanto não forem denuciadas de forma que sejam punidas eles não irão parar com essa discriminação!

Beijos e achei o post de grande utilidade publica!

tralalá da Suzue disse...

Credooo amiga! Que lugar mais sem nocao! Isso mesmo, bota a boca no trombone! Eu se fosse vc mandava ate um e-mail pro prefeito! kkkk Serio! Pro empresario responsavel passar um caraao! E achei super legal vc e sua amiga seguirem em frente, se divertindo em outro lugar, descolado e melhor! \o/ Parabens!

bjooo e apoio da Suzue!

Dea アンドレア disse...

Que absurdo!
Vc devia ter chamado a polícia kkk
beijos

Anônimo disse...

Olá,

Essas boates que se acham VIPS aqui em BH são um óhhh, ficam com essas moças na porta selecionando o público. É um absurdo!!! Devia mesmo ter chamado a polícia!

Abraços de indignação!!!

Eliane

Letícia C. disse...

Como assim "não éramos clientes interessantes para a casa naquele momento"???
Existe isso???
Oi???

Eu achei que todo mundo era bem vindo em qualquer lugar, desde que concordasse em pagar o valor sugerido, mesmo que fosse mais caro na hora, e tivesse sido mais barato para quem tivesse adquirido o convite antes, sei lá...

Nunca passei por isso, não, mas me coloquei no seu lugar, deve ser muito constrangedor.

Procure seus direitos, isso não pode ficar assim.

blog da tay disse...

Eu não acredito que existe isso, tá tudo bem, pelo fato de eu morar em uma cidade pequena nunca tinha ouvido falar nessas pessoas, e espero que não exista por aqui mesmo.
Fiquei chocada e indignada.
=)

Wan disse...

Amigas,

Quero agradecer as manifestações de apoio ao episódio que relatei na postagem de sábado: “Desabafo: barradas no baile”. Sabe, devíamos mesmo ter chamado a polícia, mas, na hora, fiquei tãããão chateada que preferi ir pra outro lugar. Talvez eu volte lá só pra fazer um teste e, desta vez mais preparada, e se acontecer de novo, registrar tudoooo e correr atrás dos meus direitos de consumidora.

Beijos!